quarta-feira, 18 de dezembro de 2013

AMPLA NÃO TEM PLANO
PARA EVITAR O APAGÃO 
Não existe a garantia de se evitar ou restabelecer a rede de energia elétrica rapidamente em caso de novos eventos climáticos no Rio de Janeiro.  A declaração foi dada por Fábio Fonseca, diretor Técnico da Ampla, na reunião da Comissão Especial de Fiscalização das Concessionárias de Energia Elétrica da Alerj, que aconteceu nesta terça-feira (17). Seis representantes executivos da empresa compareceram à convocação emergencial feita pelo deputado Marco Figueiredo (PROS), presidente da comissão, para explicar a onda de apagões que assolaram o Rio, a demora no atendimento aos chamados e se a Ampla tem um plano para atuar no Verão.
De acordo com explicações do diretor Técnico da empresa, a Ampla tem feito investimentos preventivos para minimizar os problemas, contudo não há como evitá-los. “A demora aconteceu, porque tivemos que reconstituir a rede no temporal do dia cinco de dezembro deste ano, como a troca de transformadores, cabos e postes”, disse Fábio Fonseca. Segundo a Ampla, a concessionária vai investir R$3,5 milhões no Plano de Verão/2014, o que corresponde a mais 21% com relação ao ano passado, contando com equipamentos e profissionais.
Marco Figueiredo questionou a Ampla, uma vez que o Plano de Contingência – para situações de gravidade -, não funcionou. “A empresa sabe que nesta época do ano ocorrem chuvas intensas, por isso, mesmo com o volume de água que caiu, ficar cerca de dez dias sem energia é muito tempo”, indagou Figueiredo.
A ausência de uma central de atendimento regional de telemarketing foi questionada pelos deputados, como um dos fatores de demora no atendimento ao cliente.  O diretor de Relação Institucional da Ampla, Guilherme Brasil, se defendeu ao dizer que a centralização traz mais rapidez. A comissão também pediu à Ampla o plano de investimento por pólo.

►FESTA NA EDUCAÇÃO INFANTIL
Vinícius de Moraes foi um dos convidados para o encerramento do ano letivo Educação Infantil realizado nesta terça-feira (17), na Vila Olímpica de Duque de Caxias. Os personagens eternizados nas histórias e canções do poeta, que completaria cem anos em 2013, estiveram presentes nos estandes de quase todas as creches que participaram da mostra de trabalhos desenvolvidos com os alunos durante 2013. Mais de 30 instituições foram representadas no encontro, que contou ainda com apresentações das crianças que cantaram e dançaram sobre o tema “Respeitando a vida, vou cirandando nas memórias” sugerido pela secretaria municipal de Educação para direcionar o planejamento pedagógico das unidades.
A programação incluiu contação de histórias, desfile, teatro, jogral e outras apresentações culturais preparadas pelas Creches e pelos Centros e Creches de Atendimento à Infância Caxiense (CCAICS). Segundo a secretária de Educação, Marluce Gomes, a proposta teve como objetivo valorizar o projeto construído por cada unidade através da exposição dos trabalhos realizados. “A valoração da Educação está a partir da Educação Infantil. É notória a diferença entre a criança que frequentou a Educação Infantil e a que ingressou direto no Ensino Fundamental. Existem competências de habilidades que são adquiridas neste período. Por esta razão este movimento é tão importante”, explicou Marluce Gomes.
Coordenadora da Educação Infantil do município, Meire Dutra da Silva, também comemorou o sucesso do evento que reuniu pais, professores e alunos para mostrar a importância da etapa na formação de um cidadão responsável e participativo. “A primeira infância é o alicerce para a construção saudável de um cidadão responsável. Trabalhando com estas crianças acredito que estamos fazendo uma grande diferença no município”, destacou.
A Educação Infantil antecede o ingresso da criança no ensino obrigatório, também chamado de Ensino Fundamental


►ACERTANDO O PASSO DA BANDA LARGA
Após ação civil pública ajuizada pela 3ª Promotoria de Justiça de Tutela Coletiva de Defesa do Consumidor e do Contribuinte, a justiça condenou a Net Rio S.A a solucionar em até 72h qualquer falha técnica do serviço de internet banda larga Net Vírtua. A sentença determinou também que a empresa comunique  aos clientes, com uma semana de antecedência, que serão afetados por interrupções do serviço, ainda que para reparo, manutenção ou ampliação da rede. O descumprimento pode gerar multa diária de até R$ 5 mil.
A prestadora agora também deverá descontar da assinatura o valor proporcional ao número de horas ou fração superior a trinta minutos em caso de interrupção. De acordo com a ação, subscrita pelo promotor de Justiça Carlos Andresano, a Promotoria recebeu diversas reclamações de pessoas relatando que seus serviços foram interrompidos pela operadora sem comunicação prévia e sem que os clientes fossem informados do tempo para restabelecimento.

►ALERJ DENUNCIA CONSTRUTORA
O procurador-geral de Justiça do Estado do Rio, Marfan Martins Vieira, recebeu dos deputados estaduais Gilberto Palmares e Comte Bittencourt, representação criminal contra a Construtora AG Prima. Ela é acusada de vender imóveis em São Pedro da Aldeia, na Região dos Lagos, e em Campo Grande, na Zona Oeste do Rio, sem entregá-los aos proprietários, o que caracteriza estelionato.
“Decidimos fazer esta representação para tentar, entre outras coisas, proteger os direitos dos adquirentes que pagaram e não têm a menor perspectiva de receber nem o imóvel, nem o dinheiro de volta”, explicou Gilberto Palmares, presidente da CPI das Construtoras, instaurada em maio deste ano, na Assembleia Legislativa do Estado do Rio de Janeiro (Alerj).
Ainda em curso, a CPI tem por objetivo apurar irregularidades na entrega de imóveis e é formada ainda pelos deputados estaduais Luiz Paulo, Luiz Martins e Wagner Montes.

►JEFFERSON E O SALMÃO DEFUMADO
A defesa do delator do "mensalão" enviou ao STF documento em que solicita que a administração do presídio do Rio de Janeiro que irá recebê-lo informe se conseguirá ou não servir a dieta especial receitada pelo médico particular do condenado. Na lista de alimentos está geleia real, salmão defumado, sucos batidos com água de coco, mel de abelhas e frutas frescas.
De acordo com os advogados do delator do esquema do mensalão, além da operação que realizou para retirar um câncer do pâncreas, Jefferson sofre com diabetes, hipertensão arterial e histórico de obesidade mórbida, o que, ainda segundo sua defesa, o levou a desenvolver uma deficiência nutricional crônica e anemia. Devido aos problemas de saúde, os advogados dizem que Jefferson não pode ir para um presídio e deve ficar em prisão domiciliar.
No novo documento enviado ao STF, a defesa diz que não basta que a Vara de Execuções Penais diga que há presídios com condições de receber Jefferson, mas que é preciso que a administração do presídio informe se pode fornecer a ele a alimentação necessária.

►AÉCIO DEFENDE MAIS MÉDICOS SEM JABACULÊ
Ao lançar uma agenda com 12 pontos para o Brasil, o senador Aécio Neves foi mais aplaudido quando se referiu ao programa Mais Médicos, que foi lançado pela presidente Dilma Rousseff e vem sendo apoiado pela população.
Segundo o senador tucano, o PSDB deve permitirá o trabalho de médicos cubanos no país, "mas eles deverão receber integralmente os R$ 10 mil proposto pelo Ministério da Saúde, porque, segundo Aécio, “não financiaremos uma ditadura a partir de um projeto de saúde".
Essa proposta de pagamento “cash” como é feita para os demais participantes do “Mais Médicos”, na prática, jamais seria aceita pelo governo cubano, que não permite a contratação direta dos profissionais e também atua para evitar altos índices de desigualdade social. Ao contrário dos brasileiros que trabalham no exterior e enviam suas economias para os parentes que fiaram no País, os cubanos que participam do programa do Ministério da Saúde não põem a mão nos R$ 10 mil mensais, que ajudam a economia da Ilha da família Castro.

►AIR BAGS: PREVALECEU A LEI E O BOM SENSO
Os air bags e os freios ABS serão obrigatórios nos automóveis produzidos no país a partir do próximo dia 1º, como está na lei, garantiu o ministro da Fazenda, Guido Mantega, depois de reunião com representantes da Associação Nacional dos Fabricantes de Veículos Automotores (Anfavea), metalúrgicos e o ministro do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior, Fernando Pimentel. O encontro demorou cerca de duas horas e levou em conta o impacto dos novos itens de segurança sobre o desemprego.  Na semana passada, o governo tinha indicado que poderia adiar a exigência.
De acordo com o ministro, o governo estudará a criação de uma exceção para os veículos do tipo Kombi, que não tem similar no mercado e será extinta com a introdução dos novos itens. “Não houve resistência das montadoras em criar um waiver [perdão] para as Kombis porque o produto não tem concorrência. [A Kombi] não é caminhonete, não é automóvel. Não é veículo. É um produto diferente, sem similar”, explicou.
Segundo Mantega, a Fiat pediu que os veículos do modelo Mille também fossem isentos da exigência, mas não houve concordância das outras empresas porque o modelo tem similares produzidos por outras montadoras no país. Com a introdução dos air bags e do freio ABS, o veículo terá a fabricação extinta no próximo ano.
O ministro ressaltou que a obrigatoriedade dos itens de segurança preocupou o governo não tanto por causa do impacto nos preços dos veículos, que aumentarão de R$ 1 mil a R$ 1,5 mil, mas por causa do impacto no emprego. De acordo com os sindicalistas presentes na reunião, os itens de segurança poderão provocar de 10 mil a 15 mil demissões por causa da extinção das linhas de produção de determinados modelos e o impacto sobre o setor de autopeças.
De acordo com o ministro da Fazenda, o governo pediu um compromisso das montadoras para mudarem os empregados de setor e evitar o máximo possível as demissões. Um grupo de estudo entre representantes das montadoras e do governo analisará a possibilidade de os postos de trabalho serem preservados. (Agência Brasil)

►CRESCE O CALOTE COM CHEQUES
Os brasileiros tiveram mais dificuldades para honrar os pagamentos feitos com cheques, em novembro, segundo aponta o Indicador Serasa Experian de Cheques Sem Fundos. O percentual em relação ao total de documentos emitidos atingiu 2% ante 1,96% de cheques devolvidos em outubro último. A taxa também foi superior à registrada em novembro do ano passado (1,96%).
De janeiro a novembro, o índice foi mantido estável em 2,1%. Na avaliação dos economistas da Serasa Experian, essa elevação da inadimplência com cheques é efeito dos sucessivos aumentos das taxas de juros, além do período de maior concentração das compras para as festas de final de ano.
Por estado, Roraima é o estado campeão dos cheques sem fundo com 11,42% ante 10,88%. Na outra extremidade da lista, São Paulo aparece com a inadimplência mais baixa. As devoluções em território paulista atingiram 1,37% do total de pagamentos com cheques, o que representa, praticamente, uma estabilidade, na comparação com outubro quando o percentual alcançou 1,36%. (Agência Brasil)
Postar um comentário