quarta-feira, 5 de agosto de 2015

TESE QUE CONDENOU JOSÉ DIRCEU
PODE ENVOLVER LULA NO PETROLÃO
 Depois de José Dirceu, preso na segunda-feira (3) na Operação Lava Jato, será a vez do ex-presidente Lula. Essa é a tese defendida pela jornalista Dora Kramer, colunista do jornal Estado de S. Paulo. Foi a tese do domínio dos fatos que justificou a denúncia do Procurador Geral da República Roberto Gurgel, endossada pelo ministro Joaquim Barbosa, relator da Ação Penal Nº 470 (do Mensalão) no Supremo Tribunal Federal, que resultou na condenação do ex ministro da Casa Civil de Lula, José Dirceu.
Dora é a primeira formadora de opinião a usar a teoria do "domínio do fato" para envolver o ex-presidente Lula. É o que ela fez em sua coluna desta quarta-feira (4), chamada justamente "domínio dos fatos".
"Vamos ao ponto: José Dirceu só fez o que os investigadores da Operação Lava Jato dizem que ele fez na Petrobras e cercanias da máquina pública porque a instância superior a ele deixou que fizesse", explicou Dora Kramer. 
"Resta saber – e comprovar – se a instância superior a José Dirceu, a presidência da República à época ocupada por Lula, detinha o domínio daqueles fatos", prosseguiu a jornalista.
Dora também sinaliza que Lula é o alvo principal da Lava Jato. "Os investigadores já deram várias demonstrações de que não lhes falta rumo. Sabem aonde querem chegar, mas percorrem o caminho passo a passo, a fim de evitar movimentos em falso que já puseram a perder outras operações em função de nulidades judiciais", diz ela.
"Obviamente as investigações se direcionam na busca de evidências que permitam desvendar a cadeia de comando até o topo. Acima dele, só havia o então presidente que lhe conferiu delegação para transitar no governo na posição de 'capitão do time'. Não será surpresa que venham a se interessar pelos sinais exteriores de riqueza de Lula", afirma a respeita colunista da Folha de S. Paulo.
Postar um comentário