quarta-feira, 1 de abril de 2015

LULA TENTA TIRAR DAS COSTAS 
DO PT A CULPA PELO PETROLÃO 
O ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva fez discurso nesta terça-feira (31) no Sindicato dos Bancários de São Paulo para sindicalistas e lideranças políticas de esquerda, em que defendeu o ajuste fiscal, convocou os movimentos sociais a defenderem a presidente Dilma Rousseff, e disse que está indignado com a corrupção.
"Se tem um brasileiro indignado, este sou eu. Quero saber se alguém vai ter coragem de dizer que esse moço esteve envolvido com corrupção. Mas ele conquistou o direito de andar de cabeça erguida", afirmou Lula, ao apontar para o ex-presidente da Petrobras, José Sérgio Gabrielli.
Lula afirmou ainda que os delatores da Operação Lava Jato, caso do doleiro Alberto Youssef e Paulo Roberto Costa, ex-diretor da Petrobrás nomeado por Lula por indicação do PP, de Paulo Maluf, "são bandidos que passaram a virar heróis". "Já o bandido, sujeito a pena de até 40 anos de prisão, vai fazer delação premiada e vira herói. Diz 'ouvi falar', 'eu acho que...' e nem precisa de juiz, a imprensa já condenou."
Lula também defendeu a presidente Dilma: "esse país nunca teve ninguém com a coragem de Dilma para fazer investigações onde quer que seja preciso. Fomos nós [os governos petistas] que colocamos um representante do Ministério Público indicado pela categoria, sem interferência do governo. Fomos nós que dobramos o número de policiais federais, os investimentos em inteligência".
O ex-presidente fez questão de enfatizar a importância do ajuste fiscal, em meio a críticas de aliados sobre o programa do ministro da Fazenda, Joaquim Levy. Ele afirmou que o ajuste é necessário e que fez um ajuste ainda mais forte em 2003, quando assumiu a presidência.
"Agora a companheira Dilma tinha a necessidade de dar uma parada", afirmou, dizendo que o que é feito "não é diferente da casa da gente", quando as contas sobem, mas as receitas não.
E pediu apoio a Dilma Rousseff: "o que é importante ter claro é que somos militantes políticos, não apenas economicistas. O que está em jogo não é apenas 1%, 2% ou 10%. A inflação é uma desgraça para o pobre e a Dilma sabe disso".
"Dilma, você precisa lembrar sempre que quem está aqui é seu parceiro nos bons e maus momentos. Pode ter certeza de que ninguém mexerá na conquista democrática do povo brasileiro, que elegeu um operário e depois uma mulher presidente".
O ex-presidente afirmou ainda que não se pode ter raiva de quem protesta, falando sobre as manifestações contra o governo da presidente, ao dizer que "eles têm o direito de reclamar", mas cobrou apoio novamente, ao dizer que "Dilma tem um compromisso conosco". Lula ainda disse que os movimentos sociais não precisam parar de questionar a presidente, mas que é preciso compreender "a diferença entre a luta política e a luta econômica."

E acabou assumindo que houve equívocos na política tarifária: "nós, e é importante eu também assumir e cada um de nós assumir, cometemos equívocos. Por que não se aumentou a gasolina desde 2012? Porque não queria que a inflação subisse".
Postar um comentário