quarta-feira, 22 de julho de 2015

EUA MONITORAM DE PERTO OS
NEGÓCIOS DA ODEBRECHT
 Telegramas confidenciais do Departamento de Estado norte-americano revelados pelo grupo WikiLeaks apontam para suspeitas de corrupção em obras da Odebrecht em pelo menos quatro países na segunda gestão do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva na Presidência (2007-2010) - sinal de que a crise do maior alvo da Lava Jato também é monitorada pelo governo americano.
Em mensagem do dia 21 de outubro de 2008, por exemplo, a embaixada americana em Quito (Equador) descreve que o presidente daquele país, Rafael Correa ameaçava expulsar tanto a Odebrecht quanto a Petrobras por suspeitas de corrupção.
“Alfredo Vera, chefe da Secretaria Anticorrupção do Equador, levantou questões sobre os preços e financiamento dos contratos da Odebrecht”, indicou o telegrama, de acordo com reportagem de Jamil Chade. “Apesar de não termos informações de bastidores no projeto San Francisco (usina), o posto ouviu alegações com credibilidade de corrupção envolvendo o projeto de irrigação da Odebrecht em Manabi de um ex-ministro de Finanças que se recusou a assinar os documentos do projeto diante de suas preocupações sobre a corrupção”, afirmaram os EUA.
Em um outro telegrama, de 5 de outubro de 2009, a embaixada americana no Panamá relata a Washington que um escândalo de corrupção do então presidente local, Ricardo Martinelli, estaria prestes a eclodir, envolvendo a Odebrecht; segundo a mensagem, Martinelli teria recebido uma grande contribuição para sua campanha da empresa de Marcelo Odebrecht, que ganhou um contrato de US$ 60 milhões para a construção de uma estrada no país “sem licitação”.
Em 30 de outubro de 2007, outra mensagem aponta para as relações da Odebrecht com políticos estrangeiros e cita viagem de Lula para Angola (Com Brasil/247)
Postar um comentário