domingo, 7 de junho de 2015

GOVERNO ENTERROU MAIS DE R$ 10 
BI NO FUNDO DA BAIA DE GUANABARA
O Programa de Despoluição da Baia começou no
 Governo Marcello Alencar e consumiu US $ 1 Bilhão
Os ambientalistas promoveram nesse sábado (6), um “apitaço” nas praias de Botafogo, na zona sul do Rio de Janeiro, e de Icaraí, em Niterói, região metropolitana do Rio. O objetivo foi o de chamar a atenção das autoridades e da população sobre a poluição da Baía de Guanabara, que será utilizada como local das provas de vela nos Jogos Olímpicos de 2016.
A manifestação foi organizada pelo biólogo Mario Moscatelli e pela Aliança Rebelde, grupo que busca soluções para a degradação da região costeira do Rio de Janeiro. De acordo com Moscatelli, os envolvidos no ato exigem a celebração de um Termo de Ajuste de Conduta (TAC) entre o governo do estado do Rio, por meio da Secretaria de Estado de Ambiente (SEA), e o Ministério Público Federal (MPF).
Para o biólgo, o TAC teria em vista a gestão profissional e responsável dos recursos destinados à recuperação da Baía de Guanabara. O “apitaço” foi acompanhado por representantes da Ordem dos Advogados do Brasil, que vão encaminhar documento técnico e fotográfico à SEA e ao MPF relatando as condições da baía.
Moscatelli aponta a “má gestão e a falta de fiscalização” como os principais fatores que impediram a recuperação da baía. 
“Foram investidos R$ 10 bilhões na recuperação da baía e, depois de 20 anos, tempo em que  acompanho, a situação ainda é crítica. Esperava-se que com os jogos olímpicos uma mudança fosse materializada, mas as autoridades prometeram muito e não entregaram praticamente nada de melhoria. Não falta dinheiro, muito menos tempo. Falta gestão, fiscalização e vontade política.”
A Agência Brasil procurou a Secretaria de Estado do Ambiente para que comentasse sobre as queixas envolvendo a poluição da baía e para saber se ela estará própria para as competições de vela nas Olimpíadas do ano que vem, mas até o fechamento desta matéria não obteve retorno.
Postar um comentário