domingo, 5 de julho de 2015

 MANDATOS DE DILMA E TEMER
ESTÃO NAS MÃOS DE LUIZ FUX
 O processo no Tribunal Superior Eleitoral, que investiga irregularidades nas contas da campanha que podem resultar até na cassação dos diplomas de Dilma Rousseff e Michel Temer, pode estar nas mãos do ministro Luiz Fux. Segundo a colunista Mônica Bérgamo, da Folha de S. Paulo, dos sete ministros do TSE, três tendem hoje a votar contra o governo (Gilmar Mendes, Dias Toffoli e João Otávio de Noronha) e três a favor (Luciana Lóssio, Henrique Neves e Maria Thereza Assis Moura). O placar estaria por um voto: o do ministro Luiz Fux, que condenou todos os réus no chamado ‘mensalão’. No caso extremo de cassação do diploma de Dilma, quando ela e o vice, Michel Temer, seriam afastados dos cargos, seria aberta a polêmica: a posse do segundo colocado na campanha de 2014, Aécio Neves, ou o TSE convoca novas eleições num prazo de 90 dias.
Para enfrentar essa aterrorizante (para os petistas) possibilidade, o ex ministro de Ciência e Tecnologia do Governo Lula e ex presidente do PSB, Roberto Amaral, marcou para o próximo dia 25, data consagrada a São Cristovão, padroeiro dos motoristas, a reunião de fundação da Frente Democrática, que será na capital paulista e reuniria as várias frações da esquerda brasileira em substituição ao desgastado PT. Na hipótese do Tribunal Superior Eleitoral cassar o registro de Dilma e Temer, os lulistas recorreriam ao STF, tentando ganhar tempo, enquanto o TSE estuda o registro da Frende Democrática.
Em caso de derrota, a Frente poderia ser o apelido da coligação em torno da nova chapa petista sem Dilma. Restaria ao PT apenas resolver se lança Lula para um mandato tampão de pouco mais de dois anos, com risco elevado de derrota, o que seria o fim da linha para os petistas, ou lançar um nome apenas para fazer figuração. Como em matéria de produção de “laranjas” o partido é pródigo, restaria ao eleitor acompanhar as negociações para a escolha do “companheiro” que iria para o sacrifício, numa campanha eleitoral de apenas 90 dias. 
Postar um comentário