segunda-feira, 13 de abril de 2015

NUM AFAGO À ESQUERDA, DILMA SE
DIZ CONTRA A MAIORIDADE PENAL
 Num claro gesto de afago à esquerda e de tentativa de recuperar o seu prestígio junto à chamada Classe C, a presidenta Dilma Rousseff se manifestou nesta (13), pelas redes sociais, contra a redução da maioridade penal. A admissibilidade da Proposta de Emenda à Constituição (PEC) 171/93, que reduz a maioridade penal de 18 para 16 anos, foi aprovada pela Comissão de Constituição e Justiça da Câmara no fim de março e uma comissão especial foi instalada para analisar o texto.
"Não podemos permitir a redução da maioridade penal. Lugar de meninos e meninas é na escola. Chega de impunidade para aqueles que aliciam crianças e adolescentes para o crime", escreveu Dilma em seus perfis nas redes sociais Twitter e Facebook.
Embora a PEC não depende da sanção da presidente, ela disse que a redução da maioridade seria "um grande retrocesso" para o país e que não resolveria os problemas de jovens em conflito com a lei. Dilma defende que a punição nesses casos obedeça medidas já previstas no Estatuto da Criança e do Adolescente (ECA).
"Reduzir a maioridade penal não vai resolver o problema da delinquência juvenil. Isso não significa dizer que eu seja favorável à impunidade. Menores que tenham cometido algum tipo de delito precisam se submeter a medidas socioeducativas, que nos casos mais graves já impõem privação da liberdade. Para isso, o país tem uma legislação avançada: o Estatuto da Criança e do Adolescente, que sempre pode ser aperfeiçoado", avaliou.

Nos posts, Dilma disse que orientou o ministro da Justiça, José Eduardo Cardozo, a iniciar uma "ampla discussão" para aprimoramento do ECA. "É uma grande oportunidade para ouvirmos em audiências públicas as vozes do nosso país durante a realização deste debate". A presidenta também defendeu mudanças na legislação para endurecer a punição para adultos que aliciam jovens para o crime organizado. (Com Agência Brasil)
Postar um comentário