domingo, 12 de abril de 2015

 PETISTA USA NOVOS ESCÂNDALOS
PARA SOTERRAR O PETROLÃO 
Ex colunista política de “O Globo” e militante petista de carteirinha, a jornalista Tereza Cruvinel custou, mas encontrou um escândalo novo que pode fazer o povo esquecer do Mensalão e do Petrolão. Trata-se da “Lista do HSBC”, que é objeto de uma CPI no Senado e do escândalo no CARF, da Receita Federal. Para a Cruvinel, nada melhor que um novo escândalo para apagar as marcas deixadas pelo escândalo anterior, mesmo que isto signifique afundar ainda mais a confiança do brasileiro nas instituições que sustentam a Democracia, que, depois de 35 anos, parece sofrer de uma estranha doença terminal, que pode antecipar o “fim do mudo!”
Segundo a ex colunista global, a partir desta semana, duas CPIs do Senado começarão a disputar as luzes com a CPI da Petrobrás da Câmara, que investiga o esquema de propinas na Petrobrás descoberta pela Operação Lava Jato, numa ação conjunta do MPF e da Polícia Federal no Paraná.
Uma regulamentação do número de CPIs, cinco no máximo que podem funcionar simultaneamente, aprovada na quinta-feira (9), permitirá a instalação da CPI da Receita Federal, que investigará desvios que, segundo a Operação Zelotes, da Polícia Federal, podem chegar a R$ 19 bilhões.
Na avaliação de Cruvinel, este poderia mesmo ser chamado de "o maior escândalo de corrupção de todos os tempos", que já foi dado ao caso mensalão, que movimentou R$ 55 milhões, e ao Petrolão, cujos prejuízos acabam de ser estimados em R$ 6 bilhões com superfaturamento de contratos para o pagamento de propinas
Ainda segundo Cruvinel, uma outra CPI, a do HSBC, que investiga os depósitos de brasileiros na agência do HSBC na Suíça, ganha impulso convocando figurões como o presidente do banco no Brasil, Guilherme Brandão, o empresário Benjamin Steinbruch (Companhia Siderúrgica Nacional), Armínio Fraga, presidente do Banco Central no governo FHC, e os ex-diretores do metrô de São Paulo Celso Silva e Ademir Venâncio de Araújo.
Ainda segundo a jornalista, a nata do capitalismo nacional e, portanto, não apoia o PT, está envolvida nos dois casos e alguns de seus expoentes vão dar o ar de sua graça no Senado nos próximos dias. E, nos dois casos, não há políticos, principalmente petistas, envolvidos. O que, segundo a colunista, deve ajudar a explicar o pouco interesse da mídia e da oposição, apesar dos valores bilionários envolvidos. Só o grupo Gerdau, segundo fontes da Operação Zelotes, teria pago R$ 50 milhões para ter anulada pelo Carf (Conselho de Análise dos Recursos Fiscais), vinculado à Receita, uma multa de R$ 4 bilhões. Como diriam os udenistas populistas, quantas unidades do Minha Casa Minha Vida não poderiam ser feitas com tanto dinheiro? – pergunta a ex jornalista global.
Postar um comentário