segunda-feira, 16 de março de 2015

"Lula é um acidente da história", diz Villa



GOVERNO CONTINUA ABERTO AO
DIÁLOGO, GARANTE CARDOZO 
Após a reunião da coordenação do governo da presidenta Dilma Rousseff para avaliar as manifestações deste domingo, ministros falaram em manter o diálogo com setores políticos e movimentos sociais e em buscar convergência de propostas e ações. A reunião teve a participação de ministros e do vice-presidente, Michel Temer.
“Venho deixar claro que o governo está inteiramente aberto ao diálogo e assume como postura central o diálogo com todas as forças sociais, e pouco importa se são forças sociais que apoiam ou são contra o governo. Pouco importa se são lideranças políticas que apoiam o governo ou se são oposicionistas. O governo está aberto ao diálogo com todos”, disse o ministro da Justiça, Eduardo Cardozo, em entrevista coletiva.
Cardozo disse que a primeira resposta que se dá as manifestações é ouvi-las. Ele reforçou a avaliação de que a indignação contra a corrupção foi a forte reivindicação dos protestos de ontem. “O governo está ouvindo as manifestações. O governo democrático ouve a voz das ruas e, pouco importa se as pessoas que estão nas ruas aplaudem ou vaiam o governo. Ao ouvir, precisamos captar esse sentimento e nos parece muito claro que ele que tem profunda relação com a indignação por conta da corrupção”, disse Cardozo. Ele reafirmou o compromisso do governo com o combate à corrupção.
O ministro da Justiça explicitou que é hora de buscar convergência para encontrar alternativas no campo da política e da economia. “Queremos dialogar com todas as forças políticas para que possamos encontrar convergências. Sinceramente, acho que esse é o papel que um governo democrático deve fazer, agindo com firmeza, mas com humildade”, sinalizou.

Na análise de jornalista da TV/Veja, a enorme adesão aos protestos deste domingo pegou o Palácio do Planalto de calça curta. Joice Hasselmann junto com os colunistas Augusto Nunes, Ricardo Setti, Marco Antonio Villa e o diretor de redação de VEJA.com, Carlos Graieb, analisaram esse momento único na história política brasileira. Vejam o vídeo.
Postar um comentário