segunda-feira, 25 de maio de 2015

CONTRA O DESEMPREGO GOVERNO
ACENA COM REDUÇÃO DA JORNADA
Diante da crise econômica, o governo preparar um plano, inspirado em um modelo alemão, para segurar o nível de emprego na indústria. A proposta do Planalto é manter o trabalhador na fábrica com salário e jornada menores, mas sem causar perda de arrecadação ao governo.
O plano defendido pelas centrais sindicais prevê a redução da jornada de trabalho em 30% e de 15% nos salários nas empresas afetadas pela crise econômica.
Em carta enviada à presidente Dilma Rousseff, na semana passada, CUT, Força Sindical e UGT sugerem que a medida seja aplicada por um período de ao menos 12 meses.
A proposta conta com o apoio do ex-presidente Lula, que manifestou preocupação com a ameaça de demissões no ABC paulista. Já os empregados da Ciferal/Marcopolo, instalada nas antigas dependências da FNM, em Xerém, quarto distrito de Duque de Caxias, que eliminou de uma só vez nada menos que 1.500 postos de trabalho, continuam aguardando algum sinal positivo do Governo, inclusive da Câmara de Vereadores, onde, pelo menos dois edis, foram eleitos pelos moradores de Xerém, mas até agora não tiveram a gentiliza de conversar com as 1.500 famílias prejudicadas.

►MILITÂNCIA ABANDONA O PT
Para o petista Ricardo Kotscho a baixa audiência no 5º Congresso Estadual do PT, em São Paulo, e as cadeiras vazias no plenário são o retrato da agonia do partido: “A militância sumiu, nem Lula apareceu”.
Segundo ele, outro sinal é a ameaça da fuga de vereadores e prefeitos preocupados com a alta rejeição ao partido em São Paulo e que já estão em negociações com o PSB, o novo partido de Marta Suplicy.
"Perdemos a batalha política", resumiu sem meias palavras o professor Marco Aurélio Garcia, o verdadeiro Ministro das Relações Exteriores de Dilma Rousseff e um dos fundadores do partido, 35 anos atrás.
Encarregado de fazer um balanço da situação, ele nem precisava falar nada. Bastava apontar para a plateia.
Das mil cadeiras enfileiradas na quadra do Sindicato dos Bancários para receber os participantes do 5º Congresso Estadual do PT, em São Paulo, nem a metade estava ocupada. A militância sumiu, nem Lula apareceu.
"Como fundador e alguém que militou 35 anos no partido, nunca vi uma reunião do PT tão vazia como essa, quando no passado se disputava um crachá. Isso é um sintoma grave de uma crise que nos atinge de forma objetiva e subjetiva", disse Garcia na abertura dos trabalhos no sábado.
Para ele, o partido não conseguiu entender o fenômeno das classes que foram favorecidas pelas medidas de inclusão social adotadas nos governos do PT e a reeleição de Dilma encerrou este ciclo de 12 anos, que está esgotado. "Os militantes não se sentem mais representados pelo PT. Isso significa que perdemos a batalha política. Isso é sim responsabilidade do governo, mas é muito mais uma responsabilidade do nosso partido".
Além das cadeiras vazias, outro sintoma da agonia do PT é a ameaça da fuga de vereadores e prefeitos preocupados com a alta rejeição ao partido em São Paulo e que já estão em negociações com o PSB, o novo partido de Marta Suplicy, para disputar as eleições municipais do próximo ano. Na avaliação do próprio partido, o PT pode perder até 30% das 68 prefeituras que tem atualmente. Em 2014, antes da atual crise, a bancada na Assembleia Legislativa já tinha caído de 24 para 14 deputados.
  
►OS MAIORES COMILÕES DA CÂMARA
No levantamento feito pelo “Congresso em Foco”, os parlamentares que mais gastaram com alimentação esse ano foram Rogério Peninha Mendonça (PMDB-SC) que, sozinho, pediu ressarcimento de R$ 11,1 mil por despesas alimentares e Francisco Floriano (PR-RJ), que gastou R$ 8,6 mil. Ainda na lista dos cinco parlamentares que mais gastaram com despesas alimentares está Paulo Fernando dos Santos, o Paulão (PT-AL); o líder do PPS, Rubens Bueno (PR) e o presidente do PPS, Roberto Freire (SP). Estes três gastaram, respectivamente, R$ 8,2 mil; R$ 7,4 mil e R$ 7,3 mil com verba da Câmara.
A despesa com comida é regulamentada pela Câmara. No entanto, alguns gastos chamam a atenção. No caso do deputado Peninha (foto), por exemplo, durante pouco mais de 100 dias de novo mandato, ele já apresentou 123 notas fiscais referentes a despesas com comida. E tem um pouco de tudo. Desde gastos com açaí, sopa de legumes, cafés especiais, entre outros. Ele argumenta que, como não mora em Brasília, os seus gastos com alimentação são normais.
No caso do deputado, foram apresentadas em fevereiro, por exemplo, três notas fiscais com exatamente o mesmo valor referente aos dias 04 e 05 de fevereiro. Todas com apenas a descrição “refeição”. Cada nota tinha valor de R$ 190, e foram emitidas em uma conhecida choperia de Brasília, a Bier Haus. As refeições deste local giram em torno de R$ 70 a R$ 80, um prato para até três pessoas.
O deputado também apresentou uma nota fiscal de um outro bar, o Bar do Ferreira, também em Brasília, no dia 12 de fevereiro, no valor de R$ 219. Na descrição da nota existia também apenas a descrição “refeição”. Mas as refeições neste estabelecimento variam entre R$ 40 e R$ 80, o prato individual. Até mesmo açaí com granola foi custeada com verba da Câmara. Peninha apresentou nota pedindo ressarcimento de consumo de um açaí com granola, ocorrido no dia 15 de abril. O valor da alimentação: R$ 10,26. 

►LEVY REAPARECE EM BRASÍLIA
O ministro da Fazenda, Joaquim Levy, disse hoje (25) que faltou ao anúncio do contingenciamento do Orçamento de 2015, na última sexta-feira (22), porque estava gripado e negou que sua ausência esteja relacionada a eventuais divergências com o ministro do Planejamento, Nelson Barbosa, sobre o valor dos cortes.
 “Não houve nenhuma divergência, realmente estava gripado. Houve um certo alvoroço em torno dessa história, expliquei o que estava acontecendo. É dado o direito de todo mundo se alvoroçar”, disse Levy, tossindo ao microfone em entrevista após a reunião de coordenação política, no Palácio do Planalto.
Levy também negou qualquer intenção de deixar o governo. “Não pensei em nada de sair [do governo]”, respondeu.
Já Barbosa não participou da reunião de coordenação política nesta segunda-feira (25) porque tinha um compromisso com investidores no Ministério do Planejamento. “Ele não pegou essa gripe do Levy”, brincou o ministro-chefe da Casa Civil, Aloizio Mercadante, que também participou da entrevista.

►FOCUS PREVÊ SELIC EM 13,75
O Banco Central (BC) informou hoje (25) que analistas e investidores do mercado financeiro elevaram a previsão de fechamento da Selic, taxa básica de juros da economia, para 2015. A projeção passou de 13,5% para 13,75% ao ano.
A estimativa para a taxa básica está no boletim Focus, pesquisa semanal do BC junto a instituições financeiras. Os analistas ouvidos pelo Focus também voltaram a elevar a previsão de fechamento da inflação medida pelo Índice de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA) para 2015. A estimativa de alta, que estava em 8,31%, agora é 8,37%.
Como atualmente a Selic, instrumento do BC para controle da inflação, está em 13,25%, isso implica aumento de 0,5 ponto percentual na taxa até o fim do ano. Depois das eleições de 2014, a Selic já subiu 2,25 pontos percentuais.
O IPCA, considerado o índice oficial de inflação do país, é calculado pelo IBGE e utilizado pela autoridade monetária para o acompanhamento dos objetivos estabelecidos pelo sistema de metas de inflação. Além do IPCA, o mercado ampliou a previsão de alta para os preços administrados, como o da energia e da gasolina, de 13,5% para 13,7%.
Os analistas também preveem uma queda maior do Produto Interno Bruto (PIB, soma dos bens e serviços produzidos em um país). A estimativa para o PIB na semana anterior era 1,2%. Nesta semana, a previsão é recuo de 1,24% em 2015. Já a projeção de queda da produção industrial permaneceu em 2,8%. A estimativa para o câmbio ao fim de 2015 continuou em R$ 3,20.
A expectativa para a dívida líquida do setor público ficou em 37,9% do PIB. A projeção do déficit em conta-corrente, que mede a qualidade das contas externas, subiu de US$ 82,4 bilhões para US$ 83,8 bilhões. O saldo projetado para a balança comercial permanece positivo em US$ 3 bilhões. Os investimentos estrangeiros estimados subiram de US$ 61 bilhões para US$ 65,5 bilhões.

►CONTA DE LUZ REFORÇA A INFLAÇÃO
O Índice de Preços ao Consumidor Semanal (IPC-S) atingiu 0,68% na terceira prévia de maio. A variação foi 0,03 ponto percentual maior do que a registrada na apuração anterior, quando a taxa havia decrescido de 0,7% para 0,65%.
Cinco dos oito grupos pesquisados apresentaram índices acima dos da pesquisa anterior, com destaque para habitação, cuja taxa passou de 0,64% para 0,74%. Assim como nas últimas pesquisas, a tarifa de energia elétrica está entre os itens de maior pressão inflacionária, com elevação de 1,93%, acima da taxa anterior de 1,45%.
Em alimentação, o índice subiu de 0,73% para 0,76%. Entre os itens que mais aumentaram nessa classe de despesas estão as hortaliças e os legumes, cujo índice passou de 5,52% para 7,87%.
Os itens de maior impacto inflacionário foram: tarifa de eletricidade residencial (1,93%), refeições em bares e restaurantes (0,98%), tomate (17,34%), cebola (22,33%) e aluguel residencial (0,69%). Em sentido oposto, os que mais contribuíram para atenuar o avanço da taxa foram: tangerina (-24,91%), gasolina (-0,54%), mamão papaya (-12,76%), alface (-6,69%) e tarifa de telefone residencial (-0,89%).

►DÍVIDA PÚBLICA SUPERA OS R$ 2,45 TRILHÕES
A Dívida Pública Federal teve elevação de 0,42% de março para abril e passou de R$ 2,441 trilhões para R$ 2,451 trilhões. Os dados foram divulgados hoje (25) pelo Tesouro Nacional. O endividamento do Tesouro pode ocorrer por meio da emissão de títulos públicos ou pela assinatura de contratos.
A Dívida Pública Mobiliária Federal interna (DPMFi) cresceu 0,75% e passou de R$ 2,316 trilhões para R$ 2,333 trilhões. DPMFi é a dívida pública federal em circulação no mercado nacional. Ela é paga em reais e captada por meio da emissão de títulos públicos. O motivo da elevação foi a apropriação dos juros da dívida, no valor de R$ 27,08 bilhões.
A Dívida Pública Federal externa (DPFe) registrou, em abril, redução de 5,64% em comparação ao resultado do mês anterior: atingiu R$ 117,68 bilhões, equivalentes a US$ 39,31 bilhões, dos quais R$ 106,92 bilhões (US$ 35,72 bilhões) são referentes à dívida mobiliária (títulos) e R$ 10,76 bilhões (US$ 3,59 bilhões), à dívida contratual.
DPFe é a dívida pública federal existente no mercado internacional paga em outras moedas. De acordo com o Tesouro Nacional, “a redução [da DPFe] foi ocasionada pela valorização do real [no período] em comparação as moedas que compõem o estoque da dívida externa”.
O total de emissões da Dívida Pública Federal chegou a R$ 102,21 bilhões.  A Dívida Pública Federal, segundo o Tesouro Nacional, deverá encerrar o ano entre R$ 2,45 trilhões e R$ 2,6 trilhões. 

►LAVA JATO CHEGA AO PRÉ SAL
Os integrantes da força-tarefa da Operação Lava Jato iniciaram semana passada um processo investigatório para apurar irregularidades em contratos do pré-sal. A suspeita dos investigadores é que o esquema de corrupção nas obras de refinarias e petroquímicas da Petrobras, entre 2004 e 2014, tenha sido reproduzido também nos contratos de sondas e plataformas de petróleo em águas profundas. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.
A próxima fase da investigação vai focar os contratos da Sete Brasil – empresa criada pela Petrobrás em parceria com fundos de pensão públicos e privados e com três bancos – com cinco estaleiros para a construção de 29 sondas de exploração de petróleo no pré-sal. Ao todo, estes contratos somam U$$ 25,5 bilhões.
Durante as investigações da Lava Jato, os procuradores comprovaram indícios de que houve superfaturamento de contratos da Sete Brasil com a Petrobras e que parte do lucro obtido com esses contratos foi revertida em doações para partidos políticos.
Ainda segundo o Estadão, a prisão do empresário Milton Pascowitch, ocorrida na semana passada sob a acusação de que ele repassou propinas ao PT por meio da consultoria do ex-ministro da Casa Civil condenado no mensalão, José Dirceu, já é resultado do aprofundamento das investigações sobre os contratos do pré-sal.

►DELATOR ENCRENCADO NA LAVA JATO
Os Procuradores da Operação Lava-Jato vão pedir a anulação dos benefícios da delação premiada do empresário Júlio Camargo caso seja comprovada a suspeita deles que o executivo mentiu para proteger o presidente da Câmara, Eduardo Cunha (PMDB-RJ). Segundo o jornal O Globo, essa suspeita cresceu depois que Júlio rebateu as declarações do doleiro Alberto Youssef de que o peemedebista havia pressionado o executivo, por meio de requerimentos no Congresso, para que voltasse a pagar propina ao lobista Fernando Soares, o Fernando Baiano, apontado como operador do PMDB no esquema de corrupção montando em torno da Petrobras.
Esta é a principal suspeita contra o presidente da Câmara no que inquérito da Lava Jato a que ele responde no Supremo Tribunal Federal (STF). Youssef contou, também em delação premiada, que o suborno fazia parte de um contrato de fretamento de navios entre a estatal e a Samsung. De acordo com o doleiro, para que ele e outros políticos do partido voltassem a receber os pagamentos, Cunha articulou a apresentação de requerimentos contra Júlio Camargo na Comissão de Fiscalização e Controle.
Segundo O Globo, os investigadores consideraram inconsistente o novo depoimento do executivo, em que ele negou ter sido pressionado pelo presidente da Câmara. O documento foi assinado pela ex-deputada Solange Almeida (PMDB-RJ), aliada do deputado, mas há indícios de que a autoria partiu do gabinete de Eduardo Cunha. O peemedebista nega relação com o episódio e diz ser vítima de perseguição pessoal do procurador-geral da República, Rodrigo Janot.
O Ministério Público Federal sustenta que Júlio Camargo pagou US$ 53 milhões a Baiano e ao ex-diretor da área Internacional da Petrobras Nestor Cerveró, entre outros, para viabilizar dois contratos de afretamento de navios da Samsung Heavy Industries CO com Petrobras. O executivo já admitiu ter pago R$ 12 milhões ao ex-diretor de Serviços Renato Duque e ao ex-gerente de Engenharia da estatal Pedro Barusco por uma negociação na Refinaria Araucária.
De acordo com os procuradores ouvidos pelo Globo, caso se comprove que Júlio Camargo omitiu ou mentiu em parte dos depoimentos, ele perderá os benefícios, como a redução de pena de prisão.

►PETROBRAS ESCONDE PREJUÍZO DE R$ 4 BI
O balanço divulgado pela Petrobras no mês passado esconde prejuízos de mais de R$ 4 bilhões com o Complexo Petroquímico de Suape (PE). A obra tocada pela Odebrecht com financiamento de R$ 2,6 bilhões do BNDES e contratada sem licitação pelo Conselho de Administração da estatal – à época presidido por Dilma – consumiu R$ 5,5 bilhões e não está pronta. 
Segundo o Tribunal de Contas da União (TCU), em 2013 a obra já tinha 100% de superfaturamento, que não é citado no balanço.
Só as empresas Petroquímica Suape e Citepe, ambas do Complexo, divulgaram prejuízo de R$ 3 bilhões e R$ 2,6 bilhões, respectivamente. (Fonte: Coluna do Claudio Humberto)

►A CENSURA ESTÁ DE VOLTA
A TV Brasil, do governo, foi proibida de transmitir ao vivo o anúncio dos cortes do governo. Por quê? “Notícia negativa não pode”, explicaram. Como se fizesse diferença. E como se existissem notícias positivas.
Mais uma pedrada certeira do jornalista Claudio Humberto, com a experiência de quem chefiou a Secretaria de Imprensa do Governo Collor, mas nunca censurou seus colegas de profissão. 

►VOADORAS AUTUADAS PELO PROCON/RJ
O Procon/RJ, vinculado à Secretaria de Estado de Proteção e Defesa do Consumidor, autuou as empresas aéreas TAM e Gol por falta de assistência a passageiros que tinham viagem marcada para a Argentina nos dias 30 e 31 de março deste ano. Nessas datas, os voos para o país vizinho foram cancelados em virtude da greve de aeronautas e aeroviários argentinos. 
Segundo os clientes, a Gol e a TAM não prestaram a devida assistência, resultando em prejuízos para os passageiros.
O Artigo 14 do Código de Defesa do Consumidor estabelece que o fornecedor do serviço responde, independentemente da existência de culpa, pela reparação dos danos causados aos consumidores por defeitos relativos à prestação dos serviços. As companhias têm prazo de 15 dias para se defender. Caso não se pronunciem no prazo ou os argumentos não sejam aceitos pelo setor jurídico do Procon, Gol e TAM serão multadas.

►MOBILIDADE URBANA EM VOLTA REDONDA
O Ministério Público Federal (MPF) em Volta Redonda (RJ) promoverá, em 22 de junho, audiência pública sobre a concretização do plano de mobilidade urbana para o município. O evento será no campus Aterrado, da Universidade Federal Fluminense, com início previsto para 18h30min.
Para participar, os interessados deverão fazer inscrição prévia através de e-mail para
 PRRJ-mpfemmovimento@prrj.mpf.gov.br  ou do telefone (24) 3344-8817, informando-se, no ato de inscrição, nome completo, entidade ou órgão público a que esteja eventualmente vinculado e se deseja manifestar-se oralmente nos debates. A participação está limitada a capacidade do auditório. 
Desde o fim do ano passado, o MPF/RJ vem atuando para assegurar a concretização de um plano de mobilidade urbana de Volta Redonda.
Em março deste ano, foi expedida recomendação à Prefeitura para que fosse apresentado, em até 30 dias, projeto à Câmara Municipal, um plano de mobilidade para a cidade.
Em resposta, a Prefeitura informou, no último dia 8, que está realizando contratação de empresa para a elaboração do plano e que a minuta do projeto de lei será elaborada após ampla discussão com a sociedade civil.

►CVM TAMBÉM INVESTIGA A PETROBRAS
O presidente da Comissão de Valores Mobiliários (CVM), Leonardo Gomes Pereira, órgão que fiscaliza o mercado de ações no Brasil, afirma que, no momento, há um total de 12 processos de apuração iniciados sobre a Petrobras. Outros três já foram decididos, referentes à participação de fundos de pensão como representantes dos acionistas minoritários em 2012. O executivo participou de audiência pública conjunta das comissões de Finanças e Tributação; e de Fiscalização Financeira e Controle.
Ele salientou que a CVM não investiga casos de corrupção, e que, no caso da Petrobras, cabe à comissão analisar as obrigações dos administradores quanto ao mercado. Os desvios em outras áreas devem ser investigados pela polícia e pelo Ministério Público. 
Pereira disse que a CVM participa das investigações da Operação Lava Jato, mas apenas ajudando nas apurações. Ele acrescentou que já enviou à CPI da Petrobras todas as informações sobre processos abertos para investigar a estatal por diversas razões. “Nós precisamos saber que modelo queremos, porque a CVM opera estabelecendo práticas melhores, e não na intervenção junto a empresas, nós questionamos o que está errado, mas não se deve intervir na condução das empresas”, explicou o presidente.
Preço e prejuízos
A política de preço da companhia, por exemplo, está entre as ações investigadas, e todos os conselheiros foram ouvidos. “Ninguém é obrigado a vir para o mercado de capitais, mas assim que uma empresa entra nesse mercado tem de estar aberta a prestar informações”, disse o presidente da CVM.
O deputado Silvio Torres (PSDB-SP), que pediu a reunião, frisou que os conselheiros investigados em três processos sobre preços de combustíveis são membros do governo. “Houve uma ação de membros do governo que causou prejuízos, e é uma pena que a CVM só tenha agido depois de questionada por investidores, porque isso poderia ter sido evitado”, lamentou.

►TORNEIRAS SECAS PELA MÁ GESTÃO
O baixo nível de água nos principais reservatórios da região Sudeste, no final de 2014, como no Guandu, no Rio de Janeiro, uma das maiores estações de tratamento de água do mundo, abastecido pelo Rio Paraíba do Sul, e o Cantareira, em São Paulo, responsável pelo abastecimento de 8,8 milhões de pessoas, não está ligado apenas a questões meteorológicas como a seca que assolou a região no período de chuvas, mas principalmente à má gestão das companhias de saneamento e ao desperdício no uso doméstico.
 A conclusão é de dois especialistas, o engenheiro civil e professor da Coppe/UFRJ Paulo Canedo de Magalhães e da hidróloga Luz Adriana Cuartas Pineda, pesquisadora do Centro de Monitoramento e Alertas de Desastres Naturais (Cemaden), que participaram do seminário ‘Recursos Hídricos: crise atual e perspectivas futuras', promovido pelo projeto Tardes do Saber, da Escola de Contas e Gestão do TCE-RJ (ECG), nesta quarta-feira (20/5), no auditório Humberto Braga, anexo à sede do Tribunal, no Centro do Rio.
O primeiro tema foi apresentado pelo engenheiro Paulo Canedo de Magalhães. Ele destacou que, apesar da crise meteorológica, o principal problema é a crise de gestão dos recursos hídricos e não no regime de chuvas. Segundo ele, pelo menos 33% da água tratada pela Cedae (Companhia Estadual de Água e Esgotos) são perdidos devido, principalmente, à falta de investimentos na infraestrutura, entre outros.
"Essa perda pode chegar até a 50% porque os dados que dispomos são oficiais, oferecidos pela própria companhia", ressaltou o engenheiro.
Ao apresentar o panorama da crise hídrica no Sudeste, a hidróloga Luz Adriana Cuartas Pineda, que é engenheira civil pela Universidade Nacional da Colômbia e doutora em Meteorologia pelo Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais, destacou os problemas ocorridos em São Paulo devido à seca, no final de 2013-2014, que afetou o sistema Cantareira, principal fonte de abastecimento de São Paulo, que atende cerca de 8,8 milhões de pessoas. As principais causas da seca no Sudeste, que afetaram os estados do Rio de Janeiro e São Paulo, conforme explicou a especialista, foi um fenômeno climático chamado ‘alta pressão atmosférica', que criou barreiras que impediram a formação de chuvas na região Sudeste, bloqueando o fluxo de umidade vindo da região amazônica.
Luz Pineda ressaltou que mesmo chovendo na região metropolitana de São Paulo, como ocorreu em janeiro e fevereiro deste ano, o Cantareira não só não se recuperou como ainda registrou queda no nível de água armazenada. "Ainda não sabemos o que está acontecendo com o Cantareira, mas o principal problema com certeza é de gestão", frisou Luz Pineda ao criticar a falta de transparência nas informações fornecidas pela Sabesp (Companhia de Saneamento Básico do Estado de São Paulo) e a falta de ações preventivas por parte do governo, como controle do abastecimento entre outros.
  
►TOMÓGRAFO EM SEROPÉDICA ATÉ SEXTA
Até sexta-feira (30), os moradores do município de Seropédica, na Baixada Fluminense, terão à sua disposição o tomógrafo móvel da Secretaria de Saúde. Moradores de Nova Iguaçu, Queimados, Itaguaí, Paracambi e Mangaratiba também poderão ser atendidos. O atendimento acontece de segunda a sexta-feira, das 8h às 18h30, e aos sábados e feriados, das 8h às 15h. O encaminhamento é feito pela Secretaria de Saúde do município onde reside o paciente.
O equipamento está estacionado na Avenida Ministro Fernando Costa, n° 880. Os exames de tomografia computadorizada são realizados a partir do agendamento prévio, feito pela secretaria de Saúde de cada município. Os laudos são encaminhados para as secretarias de Saúde da cidade de residência do paciente. A iniciativa destina-se a realização de exames de tomografia computadorizada de caráter eletivo, com objetivo de atender a demanda.
Os serviços móveis de diagnóstico por imagem do Governo do Estado chegaram a 176.759 exames realizados. Dois tomógrafos, uma ressonância magnética e um mamógrafo móvel, que funcionam em carretas especiais e reúnem investimentos de R$ 13,4 milhões, são os responsáveis pelos números, inéditos no país. Os equipamentos foram inaugurados para suprir a carência de regiões onde o acesso a exames de imagem na rede pública de Saúde é inexistente ou incapaz de atender à demanda. (Com Ascom da Secretaria de Saúde)

►FESTA REUNIU GARIS E MARGARIDAS 
Garis e margaridas tiveram um dia especial nesta sexta-feira (22) no Clube do 500, no centro de Caxias, na confraternização do Dia do Gari. O evento foi organizado pela secretaria de Serviços Públicos em comemoração à data. A festa contou com a presença do prefeito de Duque de Caxias, Alexandre Cardoso, que estava acompanhado do secretário de Serviços Públicos, Tarce Filho, que ressaltou a importância dos garis e margaridas para a cidade.
“Estas pessoas tem um papel importante na conservação de Caxias. Temos muito que agradecer o trabalho que os garis e as margaridas prestam ao município”, afirmou o prefeito.
Tarce Filho, também elogiou a atuação de garis e margaridas. “ Essa confraternização é merecida. Somos reconhecidos pelo trabalham que prestam ao município, contribuindo para termos uma cidade melhor”, disse o secretário.
Durante a festa vários trabalhadores receberam da Câmara Municipal moções de aplausos. O primeiro a ganhar a homenagem do Legislativo, foi Jorge Marques Agostinho, das mãos do prefeito Alexandre Cardoso e da vereadora Juliana do Taxi, autora do projeto que instituiu em Caxias, o Dia dos Garis e Margaridas.  
Participaram do evento o subsecretário de Esporte e Lazer, Juarez dos Santos, e vereadores. (Foto:  Ralff Santos)




Postar um comentário