quarta-feira, 17 de junho de 2015



MADURO AVISOU DILMA QUE COMISSÃO

DO SENADO NÃO SERIA BEM RECEBIDA
 A coluna do jornalista Claudio Humberto revelou os bastidores da farsa montada elo governo da Venezuela para impedir a chegada a Caracas, prevista para esta quinta-feira (18), de uma Comissão Externa do Senado, que vai fazer uma visita às esposas dos líderes da oposição Venezuela, presos por ordem de Nicolás Maduro.
Esse quase incidente entre o Congresso Nacional, do qual o Senado faz parte, e o ditador da Venezuela foi apenas uma vindita mesquinha da Presidente Dilma Rousseff, numa espécie de “troco” à decisão do Senado de não aprovar a nomeação de um novo embaixador brasileiro em Caracas, por conta da demissão do encarregado de negócios, que respondia pela embaixada brasileira,  que dera asilo político a um senador que se opunha tenazmente contra o regime venezuelano.
Eis, na íntegra, a nota de sempre bem informado Claudio Humberto:
“A decisão da Venezuela, de recusar autorização para o pouso de um avião da Força Aérea Brasileira (FAB) em Caracas, com senadores brasileiros a bordo, foi comunicada antes a autoridades do governo Dilma. Como são todos farinha do mesmo saco bolivarianista, ficou acertado que o governo do Brasil manteria silêncio cúmplice, sem se queixar da grave agressão ao Legislativo brasileiro. Cumpriu-se o trato.

O presidente da Câmara venezuelana, Diosdado Cabello, veio ao Brasil tentar “proibir” a visita dos senadores. Mas aqui não é a Venezuela.

Recebido por Lula e Dilma, o deputado Diosdado Cabello (nº 2 do regime venezuelano) é investigado nos EUA por ligações ao narcotráfico.

Caricatura de autoridade venezuelana, um “Defensor do Povo” também esteve no Brasil há um mês, tentando impedir a viagem dos senadores.

O medo do Planalto fez os ministros Jaques Wagner (Defesa) e Mauro Vieira (Relações Exteriores) calarem a boca diante da Venezuela.
Postar um comentário